Franz von Werra
(1914 - 1941)

Hauptmann
JG3 e JG53
21 vitórias (4 na Inglaterra)
Morto em acidente aéreo (25/10/1941)

Werra é um caso único dentro da Luftwaffe: sua notoriedade não decorre de seus feitos enquanto piloto de caça, mas, principalmente, de sua personalidade extravagante e de ter sido o único soldado alemão a escapar de um campo de prisioneiros inglês, realizando uma verdadeira epopéia até retornar à Alemanha.

Franz von Werra nasceu em 13 de julho de 1914 na vila de Lenk (cantão de Valais), situada na Suíça. No entanto, em razão de seus pais serem muito pobres ele e sua irmã foram dados para adoção ainda muito jovens para uma família aristocrática alemã. Após concluir seus estudos, em 1936, Werra ingressou na recém-recriada Luftwaffe, onde recebeu a patente de Leutnant, após o período básico de treinamento.

Quando da eclosão da II Guerra Mundial, em 1º de setembro de 1939, Werra estava servindo na Jagd-geschwader 3 onde revelou-se um oficial competente, sendo nomeado Adjutant do Gruppe II (II./JG 3).

Não deixa de surpreender essa nomeação, principal-mente por conta de seu notório comportamento de “playboy” e constante autopromoção – em certa ocasião ele foi fotografado pelos correspondentes de guerra alemães com seu filhote de leão de estimação “Simba”, que ele mantinha na base aérea da unidade. Werra também tinha o costume de usar o título de “Barão”, embora não tivesse qualquer ascendência nobre ou o direito de utilizar-se deste título nobiliárquico.

Werra e seu leão de estimação Simba.

Werra teve seu batismo de fogo durante a Batalha da França, alcançando sua primeira vitória em 20.05.1940, acrescentando outros três abates ao seu score dois dias depois em 22.05.1940. Mas foi em 28.08.1940, durante a Batalha da Inglaterra, que von Werra ganhou notoriedade pela primeira vez junto à imprensa alemã, ao afirmar que tinha destruído, em um combate sobre Kent, nove caças da RAF. Embora não houvessem testemunhas de seu feito, suas alegações foram aceitas pela máquina de propaganda do Ministro Joseph Goebbels. Já dentro da Luftwaffe, muito mais cautelosa com a apuração das vitórias, apenas quatro foram computadas como vitórias aéreas (1 Spitfire e 3 Hurricanes), creditando-se o restante como aviões destruídos no solo.

Bf-109 E-4 (werkenummer 1480, “schwarzer winkel”) de von Werra após o pouso forçado na Inglaterra. No entanto, sua ascensão foi bruscamente interrompida em 05.09.1940. Nesse dia von Werra participou de uma missão de escolta de bombardeiros destinada a atacar a área sul de Londres. A formação foi interceptada por caças Spitfire da RAF e no combate aéreo que se seguiu, o  Bf 109E-4 (werknummer 1480, “schwarzer winkel”) de von Werra foi atingido por fogo amigo.  Ele tentou retornar para sua base, mas foi perseguido pelo Spitfire do  ás britânico Basil “Gerald” Stapleton, do No. 603 Squadron, e forçado a fazer um pouso próximo à Marden, onde foi capturado por um cozinheiro de uma unidade do exército acampada próximo dali. Enviado para Londres, ele foi interrogado por duas semanas e quatro dias, sendo por fim encaminhado para o Campo de Prisioneiros Nº 1, localizado em Grizedale Hall, na região de Lancashire.

Em 07.10.1940 Werra fez sua primeira tentativa de fuga, durante uma caminhada escoltada feita fora do campo. Durante uma parada, enquanto um carrinho com frutas serviu de distração para seus guardas e com a cobertura de seus colegas, Werra esgueirou-se por um muro de pedras danificado e alcançou um bosque. Os guardas alertaram os fazendeiros locais e a milícia local; três dias depois, ele seria encontrado por dois soldados da milícia, enquanto se abrigava da chuva em um celeiro. No entanto, ele conseguiu evadir-se de seus captores e desapareceu na escuridão da noite. No dia 12.10, ele foi avistado enquanto escalava um bar-

ranco e a área foi rapidamente cercada. Ele foi encon-trado quase que totalmente imerso em um lodaçal e foi sentenciado a 21 dias de confinamento na solitária. Werra foi subseqüentemente transferido para o Campo nº 10, em Swanwick, Derbyshire.

No novo campo, Werra juntou-se a um grupo de prisioneiros que se autodenominavam Swanwick Tiefbau A. G. (Swanwick Escavações S.A.), já que secretamen-te trabalhavam em um túnel de fuga. Depois de um mês de trabalho, o túnel estava completo em 17.12.1940. Os falsificadores do campo providenciaram dinheiro e documentos de identidade falsos. No dia 20.10.1940, aproveitando o barulho causado pelas baterias antiaére-as e pelo coral de prisioneiros, Werra e quatro outros prisioneiros fugiram pelo túnel.

Soldado inglês inspeciona o Bf 109E-4 de Werra ornamentado com 8 vitórias aéreas e 5 no solo.

Enquanto seus companheiros foram rapidamente recapturados, depois de apenas alguns dias, Werra foi mais bem sucedido: ele tinha levado consigo sua jaqueta de vôo e decidiu adotar o disfarce do “capitão Van Lott”, um suposto voluntário holandês na RAF. Ele convenceu o maquinista de um trem que seu bombardeiro havia feito um pouso forçado tentando chegar a sua unidade e que precisava de uma carona até a base mais próxima da RAF. Na estação de ferroviária de Codnor Park, um funcionário suspeitou do “piloto holandês”, mas concordou em levá-lo até o aeródromo de Huckhall, próximo a Nottingham. A polícia também o interrogou mas Werra também convenceu-os com sua historia. Uma vez na base da RAF, o Líder de Esquadrão Boniface pediu mais detalhes sobre seu esquadrão e o alemão disse que sua unidade estava situada em Dyce, próximo a Aberdeen. Enquanto Boniface foi confirmar a história, Werra correu até o hangar mais próximo e convenceu

um mecânico que ele estava autorizado a fazer um vôo de teste em um dos caças. Quando estava no cockpit Werra foi rendido por Boniface, de revólver em punho. Mais uma vez preso, Werra foi enviado de volta ao campo em Hayes, onde ficou sob guarda armada.

Em janeiro de 1941, com a decisão do governo inglês de mover os prisioneiros de guerra para fora das ilhas britânicas, von Werra e vários outros prisioneiros foram transferidos para o Canadá.

Reconhecido como um elemento perigoso, von Werra fez toda a viagem trancafiado em uma cabine, guardada por homens armados. Seu grupo foi levado para um campo situado na praia norte do Lago Superior, em Ontário. Imediatamente, o Oberleutnant von Werra começou a planejar sua fuga para os EUA, que ainda era um país neutro.

Em 21.01.1941 enquanto estava em um trem de prisioneiros de guerra que havia partido de Montreal e contando com ajuda de outros prisioneiros, Werra saltou da janela enquanto passava pela cidade de Smiths Falls, cerca de 50km do rio St. Lawrence. Sete outros prisioneiros tentaram escapar do mesmo trem, mas foram todos rapidamente recapturados. Contudo, a ausência de von Werra não foi notada até a tarde do dia seguinte.

Depois de uma agonizante viagem sobre o congelado rio St. Lawrence, von Werra conseguiu alcançar a fronteira americana em Ogdensburg, Estado de New York, onde ele se entregou para as autoridades policiais. As autoridades de imigração o acusaram de entrar ilegalmente no país e, von Werra, rapidamente, procurou contatar o consulado alemão. Com ajuda diplomática, ele trouxe sua história para a mídia, divulgando detalhes de sua aventura, garantindo a von Werra alguns dias de celebridade.

Enquanto as autoridades canadenses e americanas estavam negociando sua extradição, o vice-cônsul alemão ajudou-o a cruzar a fronteira para o México. Dali, von Werra prosseguiu em estágios para o Rio de Janeiro (Brasil), Barcelona (Espanha) e Roma (Itália). Ele finalmente chegou à Alemanha em 18.04.1941.

À essa altura, Franz von Werra havia se tornado um herói. Hitler lhe condecorou com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro em razão de sua espetacular fuga (mesmo porque ele possuía apenas oito vitórias aéreas em seu crédito à essa altura), com data retroativa a 14 de dezembro de 1940. Ele aproveitou sua volta para casar-se e repassou à Abwehr e à Luftwaffe todo o conhecimento que ele adquiriu quanto aos métodos de interrogatório de prisioneiros de guerra que eram usados pelos britânicos.

Em 01.07.1941 von Werra retornou à frente de batalha ao ser nomeado Gruppenkommandeur do I./JG 53 (Gruppe I da Jagdgeschwader 53), unidade que então estava envolvida na invasão da URSS. Enfrentando os mal preparados pilotos soviéticos, Werra acrescentou 13 outras vitórias em seu crédito no espaço de um mês.

No entanto, em 07.08.1941 sua unidade foi retirada da frente oriental e transferida para a Alemanha a fim de ser recompletada e reequipada. Em fins de setembro de 1941, o I./JG 53 havia sido completamente equipado com o novo caça Bf 109F-4, sendo transferido para Katwijk, na Holanda.

No dia 25 de outubro de 1941, apenas sete meses após seu retorno à Alemanha, o Hauptmann von Werra decolou com seu Bf 109F-4 (W.Nr. 7285) em um vôo de rotina. Enquanto sobrevoava o mar, ao norte de Vlissingen, seu avião sofreu uma falha no motor e caiu. Werra não sobreviveu e seu corpo nunca foi encontrado. Quando de sua morte, o Hauptmann Franz von Werra havia sido creditado com um total de 21 vitórias confirmadas (das quais 13 na frente oriental).

Como já foi dito no início, Werra é um caso único na Luftwaffe. Injustiças à parte, merece toda sua notoriedade simples e unica-mente por ter ludibriado seus inimigos. Em 1957 foi produzido um filme que mostra a sua fuga, chamado "A Águia Fugitiva" (The One That Got Away).

 



Bf 109E-4 (WNr. 1480) - Oblt. Franz von Werra, Adjutant Il./JG 3 - França - Agosto, 1940





Principais Ases
Principais Aviões