Ernst Wilhelm Reinert
(1919 - 2007)

Hauptmann
JG77, JG27 e JG7
715 missões de combate, 174 vitórias (30 P-40s)
Prisioneiro de guerra


Ernst-Wilhelm "Erwi" Reinert pertenceu à segunda geração de pilotos da Luftwaffe, ou seja, aquela que não fazia parte da mesma leva que Galland, Mölders, Lützow, Oesau e Ihlefeld e que não teve a oportunidade de integrar a Legião Condor na Guerra Civil Espanhola, sendo que seu "aprendizado" deu-se já em plena Segunda Guerra Mundial. Mas, por outro lado, Reinert e seus contemporâneos não só puderam usufruir de um treinamento de primeira linha como também buscar inspiração nos ases mais antigos.

Reinert nasceu em 02 de fevereiro de 1919 em Lindenthal, su-búrbio de Köln (Alemanha), sendo filho de um alto funcionário do Reichsbahn (empresa estatal alemã que administrava as ferrovi-as). Por volta de 1924, o garoto Reinert acompanhou uma visita do Presidente Hindenburg em sua cidade, ocasião em que, pela primeira vez, ele teve contato direto com os aviões - começava aí a paixão de uma vida.

Ele passou a alimentar seu sonho pela aviação durante toda a infância e sua entrada na Hitlerjugend (Juventude Hitlerista) ape-nas aumentou seu desejo de se tornar um piloto, a despeito da desaprovação de seus pais, que achavam o vôo um esporte muito perigoso. De qualquer forma, Reinert conseguiu ingressar no Deutschluftverband (DLV - Clube Aeroesportivo Alemão) aos treze anos de idade, após ter sido rejeitado na primeira tentativa devido à sua idade.

A partir daí ele seguiu o caminho comum a tantos outros ases, construindo modelos de planadores e efetuando seus primeiros vôos em aparelhos verdadeiros.

Quando seus dias de escola acabaram, o jovem Reinert desejava continuar suas aulas técnicas, já que desejava tornar-se engenheiro mecânico. No entanto, ele não foi aceito e acabou se tornando simplesmente um técnico em mecânica. Seu período junto ao RAD (Reichsarbaitdienst - Serviço Nacional do Trabalho) permitiu-lhe ter as primeiras lições de disciplina.

Após o final de seu serviço junto ao RAD, no final de 1938, Reinert alistou-se na Wehrmacht. Ele seria enviado para a infantaria, mas um lance de sorte mudaria sua vida: ainda durante o treinamento básico, Reinert encontrou-se com um oficial do Exército que o havia conhecido dos tempos de vôo com planadores e de quem havia se tornado amigo. Graças a esse encontro Reinert foi transferido para a Força Aérea.

Ele juntou-se à Luftwaffe em abril de 1939 quando foi enviado para uma A/B Schule (Escola de Treinamento Básico - A - e avançado - B) onde rapida-mente foi reconhecido como um dos melhores estudantes. Reinert perma-neceu em treinamento até junho de 1941 quando, como Unteroffizier, foi designado para servir junto a EJG 77 (Ersatzjagdgeschwader 77- a unidade de reserva da JG 77), à época baseada em Viena (Áustria).

Pouco depois, já designado para servir no 4./JG 77 (4º. Staffel da JG77), ele foi enviado à Grécia, onde vôou em missões de cobertura aérea durante a Operação Merkur (invasão de Creta). Daí Reinert foi novamente deslocado para Baku (leste da Romênia), em preparação para a Operação Barbarossa (a invasão da União Soviética).

A invasão iniciou-se em 22.06.1941, prenunciando uma vitória alemã que nunca viria. Em 08 de agosto de 1941, Reinert atingiu sua primeira vitória aérea, durante uma missão de escolta de bombardeiros He 111 que iriam atacar um aeródromo soviético. Após o bombardeio, os aviões de escolta foram liberados para a caça. Eles encontraram cinco I-16 "Ratas", um dos quais caiu sob fogo de Reinert. Seis dias mais tarde, ele abateu outro I-

16. No dia 19.08.1941, mais um I-16 foi abatido por seu Bf 109E. No dia 31.08 ele recebeu o crédito por três bombardeiros adversários, derrubados em duas missões. Reinert era, agora, um ás.

Entretanto, nas primeiras semanas de setembro, teria inicio um breve período de desgraça para Reinert. Um dia, ele testou seu avião, que não se mostrou completamente pronto para o combate, mas com medo de perder seu lugar na próxima missão, Reinert não reportou os defeitos - o que não foi uma idéia muito feliz. Voando como Rottenflieger do Hauptmann Heinrich Setz (ganhador das Folhas de Carvalho), Reinert quase chocou-se com o avião de seu líder várias vezes. Por fim ele teve que reduzir a velocidade do motor, o que o levou a perder o controle de seu "Emil" forçando-o a fazer um pouso forçado - direto em cima de uma torre de alta tensão.

Sua omissão rendeu-lhe uma punição. Mas Setz já havia percebido a qualidade de seu Katschmarek, que nunca tinha tido qualquer acidente durante um pouso (grande feito quando se conhece o comportamento do Bf 109). Para castigá-lo Setz o manteve fora das missões de combate, imaginando que a guerra na Rússia não duraria muito tempo, que Reinert ainda estaria em solo quando ela acabasse. De qualquer modo, o jovem piloto recebeu a tarefa de proteger a base aérea da unidade, voando em Rotte (com outro avião). Em certa ocasião um enxame de I-16´s "Ratas" apareceu e praticamente destruíram os defensores. Mesmo com vários buracos de projéteis em seu avião, Reinert conseguiu aterrissar sem qualquer ferimento. Sua habilidade permitiu seu retorno aos vôos de combate.

A partir de então, com a regularidade de um fazendeiro, Reinert iria conquistar vitória após vitória. Seu vigésimo abate seria reconhecido em 23.10.1941. Em 27 de novembro, o II./JG77 (Gruppe II da JG77), utilizou seus dois últimos aviões em condições de vôo em missões de ataque. Reinert, já promovido a Feldwebel, teve três vitórias nesse dia (nenhuma confirmada pelo OKL) quando atacou uma formação de 14 bombardeiros russos.

Em contrapartida, seu Emil foi atingido pelo fogo defensivo de um dos bombardeiros. Mesmo avariado, Reinert persis-tiu e abateu sua terceira vítima. O fogo antiaéreo concluiu o trabalho do artilheiro do bombardeiro, e o nosso ás foi forçado a voltar para sua base, sendo perseguido por dois caças adversários.

Eles estavam voando a 300 metros de altitude, mas empregando toda sua técnica, Reinert con-seguiu levar o seu danificado avião a 600 metros, quando ele abriu a cabina de seu cockpit para saltar. Ao ver o gesto do alemão, os soviéticos se retiraram e mesmo com seu motor pegando fogo, Reinert conseguiu pousá-lo a 500 metros das linhas germânicas. Soldados da SS vie-ram em seu socorro, enquanto a infantaria russa abria fogo contra eles.

Embora o avião tivesse sido destruído, ele teve mais sorte que seu colega de vôo, Oberst Roman Painczynk, que aterrissou em Rostov, atrás das linhas inimigas e nunca mais seria visto.

Durante o rigoroso inverno de 1941, o II./JG77, esgotado pelos seus esforços, foi enviado de volta ao Oeste. Os "Emil" que ainda estavam em condições de vôo foram entregues ao I./LG2 (Gruppe I do Lehrgeschwader 2 - Esquadrão de Treinamento 2 ). Em 07 de fevereiro de 1942, quando contava com 24 vitórias confirmadas, Reinert foi condecorado com o Troféu de Honra da Luftwaffe (Ehrenpokol). Nesse meio tempo, sua unidade foi reequipada com o novo Bf 109F, e Reinert enviado para a região de Sarabus (Criméia), em meados de março de 1942.

Uma nova seqüência de vitórias se iniciaria. Em 17.03.1942 ele abateu um Polikarpov I-153 e três outros aviões soviéticos dois dias depois. Em 1º de Maio ele recebeu o crédito pelo abate de três MiG-3s em duas missões, sendo condecorado com a Cruz Germânica em Ouro em 18.05.1942; dois dias depois ele alcançou sua 45ª vitória.

Em 09 de junho três outras vitórias elevaram seu total para 51 abates e três dias mais tarde ele derrubou seu 53º avião inimigo. Com isso, em 01 de julho de 1942, o Unteroffizzier Reinert recebia sua Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro, um ano após chegar ao front. Seu ímpeto não diminuiu, sendo que no dia 08.07 Reinert clamou outras quatro vitórias - incluindo três Hurricanes - e, no dia 17, ele atingiu a marca de 79 vitórias, ao derrubar não menos que 8 adversários.

Contudo, em 23.07, enquanto voava seu Bf 109F-4, foi ferido em combate contra caças soviéticos, o que o levou a ficar afastado do front até Setembro de 1942.

Reinert (esq) e Maximilian Volke.

Ao retornar o já Oberfeldwebel Reinert parecia querer compensar o período de ausência: obteve 16 vitórias em menos de 15 dias e, mais uma vitória múltipla em 03.10.1942 (100º a 103º avião inimigo). Três dias depois, Reinert foi levado ao quartel general de Hitler para receber de suas mãos as Folhas de Carvalho de sua Cruz de Cavaleiro, tornando-se o 131º soldado da Wehrmacht a receber tal honraria. Mas ao final do ano, com a
Oblt. Günther Rall, Fw. Ernst-Wilhelm Reinert e Ofw. Max Stotz são condecorados por Hitler, Wolfsschanze (26.11.1942).

transferência da JG 77 para a Tunísia, Reinert passou a enfrentar os caças aliados no teatro do Mediterrâneo e do Norte da África. Nesta região, ele adicionaria mais 51 vitórias aéreas ao seu score - 47 caças dos mais variados tipos, 3 bimotores Boston e seu primeiro quadrimotor, um B-24 Liberator -, tornando-se um dos maiores ases alemães deste front.

Além disso, as múltiplas vitórias continuaram, com a surpreendente média de uma ocorrência por mês: no dia 11.01.1943 ele obteve cinco vitórias (as de número 106ª a 110ª), no dia 26.02 mais quatro vitórias (119ª a 122ª), em 13.03 outras seis vitórias (130ª a 135ª), encerrando em 01.04 com mais cinco vitórias (141ª a 145ª).

Reinert atingiu a marca de 150 vitórias aéreas em 19.04.1943, mas as forças alemãs na Tunísia estavam completamente exaustas e, seguindo-se à rendição do Afrika Korps em 08.05.1943, a JG 77 foi transferida para a Sicília. Sua última vitória no continente africano foi em 06.05.1943, quando abateu um Spitfire em Medjez-El-Bab (sua 153ª vitória).

Sua estada na Sicília seria relativamente calma, sendo que Reinert conseguiu até mesmo uma licença para rever seus familiares na Alemanha. Ele retornaria à Sicília para participar da tentativa espúria de conter a invasão da ilha em 10 de julho de 1943. Em 07.08 ele abateu dois P-40 no setor de Messina e, no dia 12 foi a vez de um Spitfire. No dia seguinte, após um combate onde ele abateu outros quatro P-40s com seu Bf 109G-6, Reinert teve de fazer um pouso forçado no mar, próximo a Milazzo. Escapando de seu avião quando este já encontrava a quase dez metros de profundidade, ele somente retornaria a sua unidade no dia seguinte - quando muitos já achavam que ele havia se afogado. Quatro dias mais tarde, ele obteve sua vingança, ao derrubar outros dois P-40s.

As coisas então se acalmaram e a atividade do seu esquadrão diminuiu com a rendição da Itália em 08 de setembro de 1943, quando seu Gruppe foi enviado para o Norte. Em 22 de outubro ele derrubaria um bombardeiro B-25 Mitchell e, em 06.11, outro P-40. Promovido à Leutnant, foi designado Staffelkapitän do 1./JG 77 em 01.12.1943. Sua última vitória naquele ano viria em 07.12, quando abateu outro Spitfire sobre Cassino - sua 165ª vitória aérea.

Em 03.04.1944, debilitado pela malária, Reinert deixou o 3./JG 77 e foi en-viado à Áustria e, após sua recuperação, ele foi designado Staffelkäpitan do 1./JG 27, abatendo um quadrimotor B-17 no dia 24.04. Promovido a Oberleutnant, ele permaneceria pouco tempo com esta unidade, assu-mindo o comando do 14./JG 27 em 13.05.1944, designado para atuar no norte da Itália. Nesse período, Reinert passou a realizar missões de caça-bombardeiro, atuando contra alvos terrestres. Mais uma vez, ele se desta-cou, tendo efetuado 60 missões, onde obteve o respeitável score de dez tanques e seis locomotivas destruídos. Além disso, ele derrubou dois P-51 Mustangs nos dias 28 e 29 de maio respectivamente.


Com a invasão da Normandia, em 06.06.944, sua unidade foi enviada para a França (Champfleury-la-Perthe), onde lutaria uma batalha perdida na região de Caen. Ele abateria um P-51 em 27.06 e um P-47 (sua 170ª vítima) em 02.07, além de mais um Spitfire dois dias depois. No entanto, praticamente dizimada pela superioridade númerica aliada, sua unidade foi recuada para o Reich em 1º de agosto.

No final de 1944, enquanto combatia na Defesa do Reich, Reinert alcançaria suas três últimas vitórias: um Mustang próximo a Eilenburg em 02.11, outro Mustang sobre Porta Westfalica em 26.11 e, finalmente, um Auster (avião de reconhecimento) sobre Eupen em 27.12.1944.

Em 01 de janeiro de 1945 ele se tornou Gruppekommandeur do IV./JG 27, mas o colapso do sistema de suprimento de combustível e aviões de reposição praticamente impediu quaisquer operações aéreas após essa data.

Ao final deste mês, em 30 de janeiro de 1945, em reconhecimento aos seus feitos, Ernst-Wilhelm Reinert tornou-se o 130º soldado a ser condecorado com as Espadas da Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro.

Promovido a Hauptmann, em 23.03.1945, Reinert recebeu ordens para treinar em Lechfeld com o jato Me 262. Após concluir o curso, ele foi designado para a JG 7 (equipada unicamente com esses jatos), onde estava quando terminou a guerra em maio de 1945, sem ter voado qualquer missão de combate com a revolucionária aeronave.

Após sua libertação, no final de 1945, Ernst-Wilhelm Reinert continuou seus estudos. Ele freqüentou programas oferecidos a veteranos em condições tão miseráveis que "eles teriam feito uma 'revolução de estudantes' se a situação do País não os tivesse forçado a isso". Mas, como muitos pilotos de caça, Reinert era um lutador: ele foi perseverante e acabou se formando em Medicina.

Ele abriu uma clínica de ginecologia, desenvolveu uma boa clientela e casou-se com uma cantora de ópera. Ernst-Wilhelm Reinert obteve 174 vitórias (das quais 71 no Oeste) - além de 16 outros aviões destruídos no solo, 10 veículos blindados e seis locomotivas - em 715 missões durante a II Guerra Mundial. Reinert faleceu na Alemanha, após longa enfermidade, em 05 de setembro de 2007, aos 88 anos de idade



Bf 109F-4 (WNr 13117) - Fw. Ernst-Wilhelm Reinert, II./JG 77 - Kastornoye/URSS - Julho, 1942




Bf 109G-2 - Obfw. Ernst-Wilhelm Reinert, 4./JG 77, Castell Benito/Libia - Janeiro, 1943


Bf 109G-6 - Oblt. Ernst Wilhelm Reinert, Staffelkapitän 1./ JG77 - Itália, 1943

Ficha do Piloto
Unidades:
- Jagdgeschwader 77 "Herz-As" - Staffelkapitän 1./JG 77 (01.12.1943)
- Jagdgeschwader 27 - Staffelkäpitan 1./JG 27
- Staffelkäpitan 14./JG 27 (13.05.1944)
- Kommandeur IV./JG 27 (2.1.45 - 23.3.45)
- Jagdgeschwader 7 "Nowotny"  
Aeronaves:
Messerschmitt Bf 109
Focke-Wulf Fw 190
Messerschmitt Me 262
Campanhas:

Balcãs
Frente Oriental
Norte da África
Defesa do Reich.

Promoções:
 
Condecorações:
- ??.??.1941 - Cruz de Ferro de 2ª classe
- 29.09.1941 - Cruz de Ferro de 1ª classe
- 07.02.1942 - Troféu de Honra
- 18.05.1942 - Cruz Germânica em ouro................................................(19/45)
- 01.07.1942 - Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro...................................(493º)
- 06.10.1942 - Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro ..........................(131º)
- 01.02.1945 - Espadas da Cruz de Cavaleiro .........................................(130º)

Reinert (esq) e Maximilian Volke ao lado de "OTTO" ( Kübelwagen de Marseille). Reinert saindo de seu 109 (setembro/1943)

 

Principais Ases
Principais Aviões