Walter Oesau
(1913 - 1944)

Oberst
JGr.88, JG51, JG3, JG2 e JG1
+430 missões de combate
127 vitórias (9 na Espanha, 34 na Inglaterra, +38 Spitfires, 14 quadrimotores)
Morto em ação (11/05/1944)

Muitas vezes, a conduta de alguns pilotos de combate remetem a certos adjetivos. Homens como Erich Hartmann, Gehard Barkhorn e outros grandes "Experten" da Força de Caças da Luftwaffe inserem-se nesse grupo. Essa mitificação, caracterizou os primeiros combates aéreos e principalmente os "duelos" sobre o Ca-nal da Mancha, assim como ases e líderes como Adolf Galland, Günther Lützow, Johannes Steinhoff e Werner Mölders.

Além desses quatro pilotos, que ocupam um lugar de honra na Histó ria da Luftwaffe, deve-se inserir a pessoa de Walter Oesau. Conheci- do por "Gulle" entre seus colegas de esquadrão, Oesau foi um dos pilotos que além de ter obtido experiência e prestígio incomparáveis como ás, foi reconhecido como líder ímpar, mesmo antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Definido pelo historiador alemão Hans Otto Böhm como "um dos me-lhores professores", Walter Oesau nasceu em Farnewinkel, região de Dithmarschen (Holstein) Alemanha, no dia 28 de junho de 1913.

Em 1933, após concluir seus estudos, Oesau ingressou no serviço militar, inicialmente incorporado a um regimento de artilharia do Exér-cito. Entretanto, assim como vários outros aspirantes-à-oficial, o jo-vem Fahnenjunker pediu transferência para a recém formada Luftwa-ffe. Essa decisão, feita em 1934, seria o início de uma das mais bri-lhantes carreiras daquela arma.


Ao completar seu curso de treinamento na Deutschen Verkehrs-fliegerschule, em outubro de 1936, Oesau foi designado a se juntar com a Jagdgeschwader 2 "Richthofen" (JG 2). No mesmo ano, estou rava a violenta Guerra Civil espanhola. A ocasião foi considerada por Hitler, um campo de teste para suas armadas aéreas. Procurando dinamizar o aprendizado de seus homens, a Luftwaffe criou um siste ma de rodízio de pilotos, para que o maior número possível de tripula ções enfrentassem a situação de combate.

Esta lógica seria introduzida também às unidades blindadas, de ba-teria antiaérea (FLAK), grupos de bombardeiros e de caças. O últi-mo foi caracterizado pela atuação do Jagdgruppe 88 (JGr. 88). Ser-vindo juntamente a essa unidade, mais precisamente ao 1./JGr. 88 (1º Staffel do JGr. 88), que Walter Oesau começaria a construir sua fama de caçador implacável. Ao voar 130 missões contra as forças republicanas e derrubar 9 adversários, "Gulle" tornou-se um dos mai-ores ases daquele teatro, sendo agraciado com a Cruz Espanhola em Ouro com Diamantes, presenteada em julho de 1939.


Retornando da Espanha, em 01.03.1939, o Oberleutnant Oesau juntou-se ao Stabsschwarm do I/JG 2 (Gruppe I da Jagdgeschwader 2). Dias mais tarde, em 15 de julho, foi nomeado Staffelkapitän do 1./JG 20, unidade que mais tarde seria redesignada 7./JG 51.

Embora o conflito tenha se iniciado em 1º de setembro de 1939, "Gulle" só viria conquistar sua primeira vitória em 13 de maio de 1940, na Blitzkrieg, quando abateu um Hawk 75A da Armée de L´Air na localidade de Halsteren. Ao término da Campanha da França, Oesau havia acres-centado outras quatro vitórias ao seu total.

A notoriedade de Oesau intensificou-se durante a Bata-lha da Inglaterra. Em 18 de agosto de 1940, um mês an-

tes do clímax da batalha, seria o quinto piloto germânico a atingir a marca de 20 vitórias sobre aviões franceses e ingleses (ver gráfico) pelo que foi condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro. Uma semana depois o então Hauptmann Walter Oesau foi designado Gruppenkommandeur do III./JG 51. Mas ele ficaria pouco tempo nessa unidade, pois em 11 de novembro de 1940 receberia o comando do III./JG 3 (Gruppe III da Jagdgeschwader 3).

Liderando essa unidade e patrulhando os céus do Canal, Oesau al-cançaria a 40ª vitória em 05 de fevereiro de 1941. No dia seguinte, tor nou-se o 9º soldado da Wehrmacht a receber as Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro das mãos de Hitler.

A invasão da União Soviética pelas tropas alemãs em 22 de junho de 1941, abriu um novo caminho de sucesso aos pilotos de caça. Assim como em momentos anteriores, o pequeno, mas robusto Oesau se mostrou um líder corajoso e resistente. Seu desempenho avassalador pode ser traduzido no crédito de sua 50ª vitória até 30 de junho. No dia 10 de julho, Gulle derrubaria outros cinco adversários (suas 64ª a 68ª vitórias).

A alucinante rapidez de suas conquistas continuou. Outros dois aviões foram creditados a Oesau em 11 de julho e sua 80ª vitória viria quatro dias depois. Nesse momento, Walter Oesau tornou-se o terceiro recebedor da Cruz de Cavaleiro com Folhas de Carvalho e Espadas, entregues por Hitler em 15 de julho de 1941.

No final de julho de 1941, após derrubar 44 aviões soviéti-cos, Oesau torna-se o segundo maior ás de todo o conflito, sendo em seguida, transferido novamente para a Frente Ocidental, agora para servir como Kommodore da JG 2 "Richthofen". Voando com essa Geschwader, Oesau atingiria a "marca mágica" de 100 vitórias em 26 de outubro de 1941, tornando-se o terceiro piloto da Luftwaffe a abater cem aviões inimigos. Com a chegada dessa notícia aos ouvidos do Führer, este o proibiu de voar qualquer ou tra missão de combate. Tal decisão teria tanto o propósito de canalizar a experiência de Oesau na formação de novos pilotos, como de usar seus recordes na propaganda militar. Desta forma, foram entregues a ele funções burocráticas, em 22.06.1943 é indicado Jagdfliegerführer 4 (Líder de Caças da Luftflotte 4) na Bretanha (França).

Enquanto Oesau desempenhava trabalhos administrativos, a Luftwaffe sofria graves reveses nas duas frentes de combate. Enquanto os sovi- éticos viravam a maré à leste, grandes bombardeiros anglo-america-nos castigavam cidades alemãs a oeste. A defesa do front ocidental, cabia a apenas três unidades: a JG 1, a JG 2 e a JG 26 estavam in-cumbidas de interceptar qualquer formação diurna de aviões inimigos.

Neste novo clima, as habilidades do então Oberstleutnant Walter Oesau não poderiam ser limitadas a serviços internos. No dia 17.10.1943, recebeu a Cruz Germânica em Ouro. Em 12 de novembro de 1943, "Gulle" retornou oficialmente aos combates na função de Kommodore da JG 1, após a morte do "Experte" Hans Philipp (Schwerternträger e vitorioso em 206 combates).

Os combates prosseguiram incessantes. Em 10.02.1944, Oesau der-rubaria um bombardeiro quadrimotor Boeing B-17 (109ª vitória) e um caça de escolta P-47 Thunderbolt (110ª). Entre 22 e 25 de fevereiro, ele derrubaria ainda outros quatro B-17s (111ª a 114ª vitórias).

Mas a superioridade numérica dos aliados começava a se fazer sentir, juntamente com as perdas que sofriam dia-a-dia e que eram repostas com novatos mal treinados que, muitas vezes, sequer sobreviviam à primeira missão de combate. O desgaste psicológico foi se tornando outro inimigo dos pilotos e Oesau não foi exce- ção. O Major Hartmann Grasser, às de 103 vitórias e condecorado com as Folhas de Carvalho, comenta a situação de "Gulle":

"Naquele momento, a capacidade intelectual e física de Oesau esta-vam esgotadas pelas missões de interceptação. Com certeza, suas forças já se encontravam no fim. Vários pilotos e líderes alemães fo-ram, assim como ele, obrigados a lutar sem nenhum descanso, e eu acho que isso foi um dos grandes erros de nossa liderança."

Mesmo diante das adversidades, numéricas ou físicas, Oesau foi ca-paz de abater quatorze bombardeiros quadrimotores aliados. Entretan to sua carreira foi abreviada em 11 de maio de 1944. Nesse dia, os rádio-controladores de Paderborn haviam detectado uma formação de aviões inimigos entre o nordeste da Bélgica e a fronteira de Luxembur go.

Em resposta, o Oberst Walter Oesau decolou com seu Messersch-mitt Bf 109G-6/AS (WNr. 20601) "Grün 13" e mais outros dois aviõ- es. Nesta ocasião foi derrubado, nos arredores de Aachen (Holanda) por um P-38 "Lightning" da escolta. A cena foi, anos depois, relembra da por Grasser:

Oberst Max Ibel (esq) e Oesau em abril de 1942

Hptm. Herbert Ihlefeld, Obstlt. Adolf Galland e Hptm. Walter Oesau aguardam para receberem sua condecorações (25.07.1941)

"Eu estava com Oesau em sua última missão, quando- foi abatido perto de Aachen. Naquele dia, ele tentou des-pistar a escolta dos Boeings. Mas foi seguido por dois Mustangs e vários Lightnings. No entanto, ele não pôde fazer nada e nós também não. Desta forma, perdemos nosso melhor homem."

Seus restos mortais foram recuperados e sepultados em Berlim. O seu funeral contou com a presença do General der Jagdflieger Adolf Galland, o qual pôde defini-lo como- "um dos melhores e mais resistentes líderes que a Luft-waffe possuiu durante a Segunda Guerra Mundial".

Ao longo de sua notável carreira, o Oberst Walter Oesau voou mais de 300 missões de combate, dentre as quais abateu 127 aeronaves inimigas. Destas, nada menos que 74 vitórias foram sobre pilotos ocidentais (in-cluindo 14 quadrimotores americanos), e 44 contra a Força Aérea Soviética, além de 9 outras na Guerra Civil Espanhola.



Fw 190A-5 - Maj. Walter Oesau, Kommodore JG 2 - Beaumont-le-Roger/França - junho, 1943

Ficha do Piloto
Unidades:
- Jagdgruppe 88 
- Jagdgeschwader 51 "Mölders" - Staffelkapitän 7./JG 51
- Kommandeur III./JG 51 (25.8.40 - 10.11.40)
- Jagdgeschwader 3 "Udet" - Kommandeur III./JG 3 (11.11.40 - 28.7.41)
- Jagdgeschwader 2 "Richthofen"- Kommodore (7.41 - 1.7.43)
- Jagdgeschwader 1 "Oesau"- Kommodore (12.11.43 - 11.5.44)
Aeronaves:
Messerschmitt Bf 109
Focke-Wulf Fw 190
Campanhas:
Guerra Civil Espanhola
Blitzkrieg
Batalha da Inglaterra
Frente Oriental
Defesa do Reich.
Promoções:
 
Condecorações:
- 07.07.1939 - Cruz Espanhola em Ouro c/ Diamantes
- 15.05.1940 - Cruz de Ferro de 2ª classe
- 20.05.1940 - Cruz de Ferro de 1ª classe
- 20.08.1940 - Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro...................................(102º)
- 06.02.1941 - Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro .............................(9º)
- 15.07.1941 - Espadas da Cruz de Cavaleiro ............................................(3º)
- 17.10.1943 - Cruz Germânica em Ouro...............................................(1/273)


Bf 109B-2 do JGr88 da Legião Condor Bf 109F (WNr.7554) do Kommodore Oesau, St. Pol/França, 1941 Bf 109E-4 de Oesau no 7./JG51 Fw 190A-5 (W.Nr.1230) "13-verde", Beaumont le Roger/França, 1943. Fw 190A-5 (W.Nr.1230) "13-verde", Beaumont le Roger/França, 1943.






 

Principais Ases
Principais Aviões