Messerschmitt Bf 109G-10
(Grand Canyon Planes of Fame Museum - Valle/Arizona)


Dos Bf 109G-10 existentes hoje em dia, este exemplar é um dos que apresentam as melhores condições quanto à originalidade. Embora tenha perdido alguns componentes, as asas, o motor, a fuselagem e até mes mo toda a estrutura da cauda são partes originais fabricadas em 1944.

Como a maioria dos modelos G-10, este aparelho possuía dois werknummers. O 611943 podia ser visto na parte interna da fuselagem junto com a mensagem: "Bf 109G-10/U4, Mfg. Augsburg, Deutschland 1943. W.Nr. 611943, modifizieren 12/44". Este werknummer pertencia ao bloco de números designados para os primeiros G-10 que entraram em operação em Out/Nov de 1944, muito provavelmente esta aeronave era um G-6 altera-do.

Originalmente conhecido como "13-Amarelo" do II./ JG52 (II Gruppe da Jagdgeschwader 52). Esta aerona ve foi capturada pelas forças norte-americanas quan- do esta unidade fugia do avanço soviético e tentava voar para o aeródromo de Neubiberg, próximo a Muni-que.

Este aparelho é um dos três G-10 capturados nessa região por uma unidade de "Watson’s Wizzers", co-

Em uma feira aérea em Dayton, Ohio em 1945.
mandada pelo Capt. Fred Macintosh. Macintosh era responsável pela organização e o envio, para os EUA, de todas as aeronaves com motores a pistão capturadas.

O "13-amarelo" pode ter feito testes de vôo nessa época, mas foi relatado que o aparelho foi transportado de caminhão até o porto de Cherbourg. Depois ele foi embarcado no HMS Reaper junto com vários outros exem-plares da Luftwaffe deixando o porto em 19.07.1945. Ele chegou a Nova York doze dias depois, sendo enviado para Ford AAF em Newark, NJ onde ficou armazenado por algum tempo. O aparelho foi transportado de navio até "Freeman Field" em Maio de 1946 mas transferido para Wright Field logo em seguida (Junho de 1946), para ficar em exposição. Nesta época a aeronave recebeu o código FE-122, mais tarde alterado para T2-122.

Com a pintura  em verde escuro no aeroporto em Ontario, Novembro de 1967

Foi durante este período que o T2-122 adquiriu uma "tonalidade" verde escuro e um nariz amarelo, nesta fase o aparelho também perdeu alguns de seus com-ponentes originais.

Depois ele foi restaurado recebendo partes do trem de pouso de um P-51 e hélice de um P-38, junto com um spinner nada convencional que foi depois trocado pelo de um Fw190 adaptado.

Por volta de 1947 o T2-122 foi considerado supérfluo e doado para a Universidade do Kansas em Lawrence. A Universidade manteve o aparelho guardado no han gar do aeroporto até Abril de 1948 quando foi transpor tado para o campus para ser exibido durante uma ex-

posição de engenharia. A aeronave ficou em exposição junto com um He162 (W.Nr. 120077 / T2-489). Exceto pelo reencaixe das asas e alguma limpeza na fuselagem para melhorar o visual, nenhum trabalho de restaura- ção foi feito nessa época.

Em 1948 o T2-122 foi vendido para o empresário/colecionador Eddie Fisher de Kansas City, Kansas. O Sr. Fischer deixou a aeronave guardada e nenhum trabalho de restauração foi feito até o final dos anos 50.

Em 1958 o Sr. Fischer vendeu o T2-122 para Ed Maloney, fundador do "Planes of Fame Museum". O aparelho foi transportado de caminhão até a Califórnia e o T2-122 tornou-se uma das pedras fundamentais do museu recém inaugurado.

Durante os anos 60 e 70 o "Planes of Fame Museum" passou por vários lugares, na tentativa de achar um local mais adequado para expor a crescente coleção. Estreando em Claremont, CA em 1962, o museu mudou-se para um hangar no aeroporto de Ontario no final dos anos 60. Nesse período o T2-122 mudou várias vezes de lugar e de camuflagem.

Em 1975 o T2-122 foi emprestado para a Universal Studios para ser usado em um filme, "The Hindenburg ", estrelado por George C. Scott. O estudio cinemato-gráfico foi responsável por uma das mais diferentes ca muflagens que este velho caça carregou durante toda sua história.

Em 1978, o "expert" em restauração, Richard P. Lutz Jr. se ofereceu para restaurar o T2-122. Este novo pa-drão de cores se tornaria o mais conhecido e o mais fotografado de todos os esquemas utilizados neste a-parelho. A fuselagem foi pintada nas cores originais RLM 74/75/ 76 usando uma outra aeronave como refe-rência.

Com o esquema de cores usado durante o filme "The Hindenburg", Novembro de 1978.

Mais tarde, Lutz e os responsáveis pelo museu foram competentes o bastante para criarem, em fibra de vidro, uma hélice e spinner mais parecidos com os originais, usando lâminas da hélice do G-10 de John Caler (W.Nr. 610824 / T2-124) e um dos spinners do Me410 (W.Nr. 10018 /T2-499) do NASM como modelo.

O T2-122 "13-amarelo" permaneceu na coleção de Maloney por quase 44 anos. Nos anos 90 o aparelho foi transferido para a filial do "Planes of Fame Museum" no Arizona sendo novamente repintado. Atualmente o T2-122 esta exposto no "Grand Canyon Planes of Fame Museum" em Valle/Arizona/EUA.


13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg
13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg
13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg
13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg 13-amarelo01.jpg "13-Amarelo" com a pintura antiga.
"13-Amarelo" com a pintura antiga "13-Amarelo" com a pintura antiga Walter Schuck matando a saudade no cockpit do "13-Amarelo".

Principais Aviões
Condecorações